Celulares do RN ganham mais um dígito

foto Os números dos telefones celulares com código de área do Rio Grande do Norte ganharão o nono dígito em maio de 2015. O aviso foi publicado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) no Diário Oficial da União, onde foi divulgado o cronograma de adoção do nono dígito em nove estados.

Além do RN, os estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Sergipe também terão a adoção do nono dígito. A Anatel informou que a mudança nos códigos de acesso do serviço móvel pessoal obedece ao disposto na Resolução 553/2010. No Rio Grande do Norte, o nono dígito será incorporado no dia 31 de maio.

A Anatel acrescenta que o dígito nove será acrescentado à esquerda dos atuais números, que passarão a ter o seguinte formato: 9xxxx-xxxx. Após as datas acima mencionadas, as ligações marcadas com oito dígitos ainda serão completadas por um tempo determinado, para adaptação das redes e dos usuários.

De acordo com a agência, gradualmente haverá interceptações e os usuários receberão mensagens com orientações sobre a nova forma de discagem. Após esse período de transição, as chamadas marcadas com oito dígitos não serão mais completadas.

Os planos de numeração dos serviços de telefonia fixa e móvel especializado não sofrerão alterações, permanecendo com códigos de acesso com oito dígitos.

Fonte: g1.com
Publicidade

Custo do voto: Entre os deputados do Alto Oeste quem gastou mais?

1970832_496447110491024_1392902526027256528_n 1382145_212676268903176_1717998589_n 1011684_362548710580104_6630793557463844941_n 10488039_791289277601211_8859850182378952983_n

Considerando apenas as candidaturas de Getúlio Rego (DEM), Raimundo Fernandes (PROS), Galeno Torquato (PSD) e Gustavo Fernandes (PMDB) – todos com maior representatividade na região do Alto Oeste, na proporção gasto e votos obtidos, o deputado do PMDB, Gustavo Fernandes, foi quem fez o maior investimento.

É como se para conquistar cada um dos 42.975 votos que obteve, Gustavo tenha precisado investir R$ 13. Em seguida vem o deputado Getúlio Rêgo, que proporcionalmente a quantidade de votos que conseguiu,   fez a segunda campanha mais cara, com uma média de R$ 10,60 por voto. Já o deputado Raimundo Fernandes teve uma despesa de R$ 9,40, por eleitor. Nesta proporção quem menos gastou foi Galeno Torquato, com R$ 6 por voto.

 

Publicidade

Onde Henrique vai trabalhar?

 

img2014080713844473247

Sem mandato, a partir do ano que vem, o deputado Henrique Alves (PMDB) deve assumir algum cargo, certamente um Ministério no segundo governo Dilma. Mas qual? Especulações não faltam! De acordo com o jornalista Claudio Humberto, Henrique teria sido sondado  para o Turismo, proposta então recusada.

Já o jornalista Lauro Jardim, especula a ida de Henrique para a Previdência, ou seja, sai um Alves entra outro, haja vista que Garibaldi é o atual ministro da pasta.

Foto: Laycer Tomaz/Câmara dos Deputados

 

 

Publicidade

Melancia na cabeça? Agora a moda é calcinha e focinheira

Hoje já não basta utilizar uma melancia na cabeça como forma de chamar a atenção. Está em desuso. A moda é sair por aí peladona, ou quem sabe com um modelito mais comportado, só de calcinha, no máximo. Circula nas redes sociais fotos de uma estudante seminua “desfilando” pelo Campus da UFRN, em Natal.

Além da calcinha, a moça, que não teve o nome revelado, também usava uma focinheira. Sim, a performance ainda contava com palavras escritas pelo corpo. Vá entender!!

1898039_713047065448447_1599542665503376936_n

 Foto: cedida

Publicidade

Parnamirim: Carlos Augusto pode ser opção em 2016

1797598_10202380815938896_6819726875233663841_n

Como um meteoro. Assim pode ser definida a trajetória política de Carlos Augusto Maia. Em apenas dois anos, foram duas eleições e duas vitórias. Em 2012, eleito vereador em Parnamirim. Já este ano, ele alcançou uma vaga na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.

O resultado não só mostra que o nome do jovem político superou os limites geográficos da cidade ‘Trampolim da Vitória’. O segundo candidato mais votado na cidade – perdendo apenas para o ex-prefeito Agnelo Alves,  Carlos Augusto já aparece entre as opções para concorrer ao Executivo parnamirinense.

E como ele mesmo se autodefine um “predestinado para a política”, não será surpresa se em apenas quatro anos o parlamentar encarar a terceira eleição.

Publicidade